TDAH: mudança de diretrizes pode elevar número de diagnósticos

TDAH mudanca de diretrizes pode elevar numero de diagnosticos

 

TDAH: mudança de diretrizes pode elevar número de diagnósticos: A faixa etária em que o TDAH pode ser diagnosticado amplio de 7 para 12 anos. Veja o que isso significa na prática.

 

Queixa das mais comuns nos serviços de apoio educacional e psicológico, estima-se que o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) afete cinco em cada 100 crianças no Brasil e no mundo. Identificar o transtorno não é fácil, já que os sintomas podem sugerir outras doenças psiquiátricas ou simples problemas de comportamento. Mas, entre todas as dificuldades, uma delas começa a diminuir – pelo menos nos Estados Unidos. Até pouco tempo, considerava-se que os sintomas deveriam aparecer antes dos 7 anos de idade para que a criança fosse diagnosticada com o distúrbio. Agora, a Associação Americana de Psiquiatria acaba de ampliar essa faixa etária para 12 anos, conforme medida publicada na quinta edição do Manual de Estatística e Diagnóstico de Transtornos Mentais (o DSM) que traz também outras mudanças em relação à abordagem do TDAH.

 

Ou seja, é muito provável que aumentemos diagnósticos, já que muitos quadros são percebidos apenas quando a criança vai para o ensino fundamental. O que isso muda para os pais? Nos Estados Unidos, o sistema de saúde será obrigado a tratar também quem começa a apresentar sintomas após os 7 anos, o que não ocorre hoje. E tanto lá quanto aqui as crianças poderão ter o diagnóstico correto.

 

Por enquanto, a orientação continua a mesma: ao desconfiar de que seu filho tem o transtorno, recorra a um psiquiatra, independentemente da idade dele, mas, lembre-se de que o tratamento com remédios só deve começar a partir dos 6 anos. “Normalmente, as pessoas adiam abusca por ajuda até os prejuízos à vida da criança se tornarem significativos”, lamenta o psiquiatra Enio Roberto de Andrade, coordenador do ambulatório de TDAH na infância e adolescência do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas (SP).

 

A seguir, o médico explica o que muda, na prática, com as novas diretrizes.

 

Por que a alteração foi feita?
Não é simples fechar o diagnóstico até os 7 anos. Estudos demonstram que muitas crianças só têm sintomas evidentes após o ingresso na escola, quando a atenção é mais exigida. Se não ampliassem o prazo, esse grupo ficaria sem diagnóstico correto e tratamento.

 

Qual o impacto disso?
A maioria dos casos aqui no Brasil já é diagnosticada depois dos 7 anos, quando a criança entra na escola e chegam as reclamações de comportamento e dificuldades de aprendizado. A novidade mais significativa é que antes não se podia diagnosticar TDAH se a criança tivesse um quadro de autismo, pois todos os sintomas eram atribuídos exclusivamente a ele. Agora, ambas as doenças podem ser tratadas conjuntamente. O fato é que o Brasil segue a CID 10 (Classificação Internacional das Doenças), da Organização Mundial da Saúde. Por causa disso, o DSM influi pouco. Só que a CID 10 também está em processo de atualização e levará em conta critérios do manual americano de psiquiatria.

 

Há quem critique o excesso de medicação para TDAH…
É claro que há muito diagnóstico indevido, mas é absurdo negar a existência do transtorno ou supor que são prescritos remédios demais. De vez em quando, são publicados dados sobre o aumento na prescrição e na venda de metilfenidato, a principal droga empregada no controle do TDAH. Mas um levantamento do número de caixas vendidas mostra que nem 1% das pessoas com a doença tomam o medicamento no Brasil.

 

 

Tire suas dúvidas


PODE SER TDAH

O transtorno se manifesta por 18 sintomas. Conheça alguns deles:

1 – A criança parece não ouvir quando se fala com ela.
2 – Ela mexe com as mãos ou pés ou se remexe o tempo todo na cadeira.
3 – Corre de um lado para outro ou sobe onde não deve com frequência.
4 – Não presta atenção em detalhes ou, por descuido, erra nas tarefas escolares.
5 – responde logo a uma pergunta que nem acabou de ser feita.

 
NÃO É TDAH

Embora sejam similares aos sintomas da doença, algumas atitudes podem ter outros gatilhos:

 

 

1 – Efeitos colaterais de alguns medicamentos, como os antialérgicos, podem interferir no comportamento normal da criança.
2 – Quadros psiquiátricos como ansiedade, depressão e distúrbio bipolar eventualmente provocam impulsividade e agitação.
3 – A própria personalidade da criança, que pode ser brincalhona. Não é motivo de preocupação se ela se sair bemna escola.
4 – Diante de situações novas, como ir ao teatro, por exemplo, ela pode ficar nervosa, agitada.
5 – Falta de limites e de uma educação adequada também fazem com que ela apronte além da conta.

 

Fonte: Revista Crescer

 

Não deixe de conferir nossa FanPage: www.facebook.com/dailybaby

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *