Alergia alimentar, o que você precisa saber!

Diversos estudos tem apontado o aumento considerável dos casos de alergias nos últimos anos, principalmente entre crianças entre 0 e 5 anos de idade, cujo momento é de desenvolvimento e aprimoramento do seu sistema imunológico.

A alergia alimentar é uma reação do corpo a um agente estranho, um antígeno, que pode acontecer a partir de vários fatores juntos ou isolados como:

– desequilíbrio nutricional;

– sistema imunológico debilitado;

– microbiota intestinal desequilibrada (por infecções, fungos, bactérias, disbiose);

– digestão prejudicada;

– predisposição genética.

 

alergia alimentarHoje sabemos que um intestino saudável evita e contribui para o não desenvolvimento de alergias. Quando o intestino encontra-se debilitado, pedaços de comida mal digeridos podem ser confundidos com antígenos e migrarem para a corrente sanguínea e causando o processo alérgico.

É do nosso conhecimento também que as exposições do feto (ambiente, nutrição materna) durante a vida intrauterina têm grande influência na saúde pós-natal quando o assunto é o desenvolvimento ou não de alergias durante a vida.

Daí a importância da mãe, durante toda sua gestação, ter uma alimentação equilibrada, rica em nutrientes , evitando ao máximo alimentos com conservantes, adoçantes e outros químicos, os quais já são potencialmente alergênicos. O excesso desse tipo de alimento causa uma toxicidade no organismo, podendo alterar genes e depletar nutrientes importantes para a formação do feto, já que o bebê se alimenta do que a mãe come.

Quando a situação alérgica já está instalada, é preciso identificar o quê, qual alimento, causa os sintomas e a reação. Hoje há alguns exames capazes de identificar alergias, mas os sinais clínicos são muito importantes nesse processo de descoberta.

A dieta de exclusão tem sido uma forma eficaz de encontrar a causa da alergia. Após um período de pausa total no consumo de alguns alimentos já conhecidos como alergênicos, os mesmo são reintroduzidos separadamente e a ocorrência dos sintomas é analisada.

Mas, claro, pra que essa busca seja feita de forma correta e eficaz, é indispensável o acompanhamento com um Nutricionista, que vai ajudar da melhor forma quanto aos alimentos a serem consumidos, evitados, na identificação do alergênico e o tratamento adequado pra cada situação.

 

Ana Rubik

Nutricionista Infantil

CRN 10 – 2781

www.anarubikparabebes.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *