Pai e amigo sim, super herói não!

Tema polêmico né?

Com o passar do tempo e analisando as relações entre pais e filhos atualmente, principalmente de pessoas da minha faixa etária, tenho visto uma dependência excessiva dos pais e aprendido muito com isso.
Exemplos é só você olhar ao seu redor que com certeza achará alguém que já na casa dos “inta” (30) e muitas vezes na dos “enta” (40) morando ainda com os pais e dependendo deles ainda e não estou falando financeiramente não, mas sim da independência emocional.

Não que eu ache isso errado ou certo, mas quem já provou da liberdade emocional e gostou não quer mais voltar para o “ovo”, precisamos expandir a nossa mente, nossos pensamentos, o mundo precisa evoluir e para isso precisa de nós, como que uma pessoa que tem toda a segurança em relação a tudo pode evoluir? Acontece algo de ruim ela corre para os pais e eles como super-heróis resolvem por ela, quando essa pessoa estará preparada para a vida?

 

pai heroi

O que isso tem com ser pai de dois? Vou descrever para vocês.

A Luana que agora está com 2 anos quer ser independente, quer fazer as coisas sozinhas, experimentar novas aventuras (escadas, móveis, praia, mar, etc.) e qual a reação instantânea do pai aqui? Defender, correr atrás e não deixar que ela simplesmente caia, não pessoal, não estou falando de risco de vida e sim das pequenas coisas da infância que são saudáveis para a criança, como cair, levantar, cair de novo, aprender que ali não pode, ou que aquilo não é para ser mexido, ou que não é para subir no rack da sala e outras coisas assim.

Ao ver as ruas vazias e as casas cheias de eletrônicos eu começo a lembrar da minha infância onde corria descalço na rua que muitas vezes nem asfaltada era, jogava bola, fazia carrinho de rolimã, soltava pipa na rua, caia, ralava, passava merthiolate e meia hora depois estava lá fazendo arte de novo, e pasmem estou aqui vivo e escrevendo este post.

Com essa reflexão aprendi que preciso proteger sim os meus filhos, mas não de tudo e a toda hora, eles precisam desde cedo aprender a se defender, seja emocionalmente, fisicamente e de qualquer outra forma, precisamos criar mentes fortes, sensíveis, mas ainda assim fortes, para que possam se desenvolver de uma forma ideal, as vezes me pego aqui achando que tenho que dar isso e aquilo, quando na verdade eles precisam conquistar isso, sim irei ajudar sempre, sempre no que puder, mas eles precisam dar o suor deles para a conquista valer a pena, como um amigo me diz “ Não de o peixe, ensine a pescar” eu digo para nós pais “ Seja pai e mãe, mas não um super herói” até mesmo porque somos humanos e iremos errar em alguns momentos e um super herói na mente das crianças nunca erra…

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *