13 Respostas sobre o sono na gravidez

 

Desde que recebeu a confirmação da gravidez, sua rotina de sono virou de cabeça para baixo. Segundo a pesquisadora norte-americana Michele Okun, especialista nos distúrbios do sono da mulher e professora da Universidade de Pittsburgh (EUA), isso é comum: 75% das grávidas apresentam algum tipo de dificuldade para dormir durante a gestação e 25% delas chegam a ter queixas sérias, especialmente nos três primeiros meses. Os números vêm de estudos que buscam entender o que acontece com o sono nesse período e de que maneira essas transformações se relacionam com a saúde da mãe e do feto. As alterações normalmente estão ligadas a mudanças que acontecem no corpo, como variações hormonais, vontade de fazer xixi toda hora e picos de ansiedade decorrentes da expectativa pelo parto. Esses fatores somados, claro, não deixam você atingir o relaxamento necessário para que o sono chegue – e fique. Afinal, com tantas dúvidas e expectativas, é ainda mais difícil relaxar e dormir bem. Para acabar de vez com esse problema, conversamos com grávidas no Facebook da CRESCER e elencamos as maiores questões delas relacionadas ao sono. As respostas você confere na reportagem a seguir.

 

“Estou no início da gravidez e sinto um sono incontrolável o dia todo. Isso vai passar?”
Sim, a partir do quarto mês. Quando você engravida, os hormônios entram em ação para manter e desenvolver a gestação. A concentração de progesterona, por exemplo, é muito maior nessa época – logo, não é mera coincidência que você sinta mais sono. Além disso, desde o primeiro trimestre há um aumento do volume de sangue na circulação e o coração tem que trabalhar mais para bombeá-lo para o corpo e para o bebê. Como consequência, há um aumento significativo do cansaço, sensação que se assemelha ao sono. Na grande maioria das vezes, esses sintomas são normais. No entanto, é importante saber que a sonolência também pode ser parte de um distúrbio mais grave, como a depressão. Por isso, converse sempre com seu obstetra. Se ele julgar necessário, pode prescrever medicações ou solicitar a avaliação de um psiquiatra.

 

“Os enjoos e a azia incomodam muito, mesmo na hora de dormir. Há solução para isso?”
As alterações hormonais têm forte influência nesse quadro e, infelizmente, não há o que fazer contra elas. Mas isso não significa que melhorar alguns hábitos do dia a dia não possa trazer algum alívio. Ficar longos períodos sem comer piora a sensação de náusea, por exemplo. Isso explica a necessidade de se alimentar de três em três horas, em pouca quantidade. Da mesma maneira, fazer uma refeição pesada e muito farta não é o ideal. Experimente alimentos leves, como frutas e verduras, mesmo que não sejam seu prato predileto. Se o desconforto continuar insuportável depois dessas mudanças, seu médico pode avaliar o uso de medicamentos antieméticos para tentar apaziguar o enjoo.

 

“Tenho muito calor à noite. Por que isso acontece? Vai melhorar?”
Assim como a sonolência, o calor está ligado a mudanças na regulação hormonal. “A maior concentração de progesterona no organismo faz com que a temperatura corporal fique em torno de 37°C durante a gestação, ou seja, 0,5°C acima do normal. O aumento gera essa sensação, que poderá acompanhar a mulher por toda a gravidez”, esclarece a ginecologista Alice Melgaço Faria, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Nem todas sentem esse efeito, mas, se ele aparece, não há muito que fazer. Refresque-se com banhos, ventilador e ar-condicionado. Cuidado, porém, com cremes que apresentem cânfora, mentol ou eucaliptol em sua composição. A Anvisa, agência reguladora de vigilância sanitária, não recomenda seu uso durante a gestação, pois, em algumas concentrações, são capazes de atravessar a placenta e prejudicar a criança.

 

“Sinto cãibras e formigamento nas pernas que atrapalham meu sono. Isso é normal?”
Essas sensações são comuns e podem ser causadas tanto pelo ganho de peso quanto por alterações no fluxo sanguíneo. Durante a gestação, há um aumento e modificação na distribuição de líquidos do corpo. Isso pode levar à dificuldade de circulação e sensação de formigamento. Alongamentos e um bom banho antes de deitar podem ajudar a evitar esses incômodos. Para combater as cãibras, é preciso repor o potássio e o cálcio. Essas substâncias são encontradas, respectivamente, em frutas, como banana e melancia, e derivados de leite.

 

“Ando tendo muitos pesadelos, inclusive alguns em que meu bebê nasce com problemas. Como posso me livrar deles?”
A psicanalista Gina Levinzon, membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, explica que a gravidez por si só já traz muitos sentimentos à tona. Alguns são medos presentes ou passados, ou até situações mal resolvidas, que, agora, podem dar origem a sonhos desagradáveis, cheios de receio e insegurança. “O sonho é um dos mecanismos de elaboração psíquica daquilo que estamos vivendo. A gravidez é uma fase em que não apenas medos, como o de que o bebê nasça sem saúde, mas também fantasias surjam e povoem o psiquismo da mulher”, avalia. Outro aspecto diz respeito às expectativas em relação ao desafio de estar na função de mãe. Essa transformação também pode ser fonte de angústias que aparecem, de forma mais ou menos intensa, nos sonhos. Portanto, converse bastante com seu parceiro, leia livros sobre o assunto, troque experiência com outras mães. Tudo que faça você se sentir mais segura em relação ao novo papel pode ajudar.

 

“Meu bebê mexe muito quando me deito! Como posso acalmá-lo?”
Alguns bebês realmente se mexem mais que outros. Porém, é mais provável que você esteja com insônia e, por isso, perceba melhor essa movimentação. Se o problema é a falta de sono, procure uma posição confortável e tente relaxar. Escutar uma música tranquila pode ajudá-la nessa tarefa. Outra dica é beber um copo de leite antes de dormir. Isso porque ele é rico em triptofano, substância que naturalmente induz o sono, além de estimular a produção de serotonina, um neurotransmissor que, entre outros, funciona como sedativo e colabora para o descanso.

 

“Praticar atividade física pode espantar o sono?”
Segundo Leonice Doimo, professora do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Viçosa (MG), a princípio não, mas esse efeito pode variar. A sugestão é testar se exercitar em horários diferentes e ver qual vai trazer mais bem-estar. De toda maneira, Leonice lembra que é preciso manter um ritmo leve. O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas recomenda que a intensidade da atividade física da grávida não ultrapasse a frequência cardíaca de 140 batimentos por minuto (bpm). A caminhada leve é uma ótima opção, e se você não tiver como medir o ritmo cardíaco, a dica é perceber se consegue conversar naturalmente enquanto caminha. Se sim, sua velocidade está adequada. A hidroginástica também é indicada por ter baixo impacto sobre as articulações e melhorar o inchaço. “É comprovado que as mulheres que fazem exercícios durante os nove meses se recuperam melhor e mais rápido do parto. Além disso, a sensação de estar fazendo algo por você e pela criança confere tranquilidade, influindo positivamente na qualidade do sono”, completa.

 

“Acordo pelo menos três vezes por noite para ir ao banheiro. O que posso fazer?”
Com o aumento de volume de sangue no corpo, seus rins precisam trabalhar mais para filtrá-lo e, consequentemente, produzem mais urina. Além disso, o crescimento do bebê ao longo dos meses aumenta o útero, que pressiona a bexiga e diminui mecanicamente sua capacidade de armazenamento. Nesse caso, o que pode ser feito é evitar a ingestão de líquidos perto da hora de ir para a cama.

 

“Meu marido disse que tenho roncado. Isso é normal?”
Em primeiro lugar, saiba que isso não afeta em nada seu bebê. A professora e pesquisadora do Instituto Médico do Sono da Universidade de Pittsburgh (EUA), Michele Okun, explica que uma das mudanças físicas mais profundas da gravidez diz respeito à respiração durante o sono. “O ronco e os distúrbios respiratórios do sono são de duas a três vezes mais comuns em grávidas. A evidência atual sugere que até 14% das não gestantes roncam, e esse número vai de 28% a 59% quando avaliamos mulheres no terceiro trimestre gestacional.” Essas taxas diminuem drasticamente no pós-parto – logo, fique tranquila, pois há grandes chances de você parar de roncar quando estiver com o bebê nos braços. Embora ninguém saiba exatamente o que leva às grávidas a roncarem, várias alterações fisiológicas podem predispor esses disturbios respiratórios do sono. O ganho de peso, a diminuição da capacidade respiratória, devido ao deslocamento do diafragma pelo crescimento da barriga, e edemas na faringe são alguns exemplos. Esses sintomas podem estar relacionados a problemas mais graves, por isso leve sua queixa ao obstetra para que ele avalie a necessidade de tratamento específico.

 

”Sinto dificuldade de respirar quando me deito. Pode ser sinal de algum problema?”
Geralmente, o esforço para respirar é comum no terceiro trimestre da gravidez e está relacionado ao tamanho do bebê no útero, que comprime outros órgãos. Deitar-se do lado esquerdo e usar alguns travesseiros para deixar as costas mais elevadas ajuda a diminuir esse peso. Se essas medidas não funcionarem, pode ser um sinal de dispneia noturna, uma falta de ar que costuma aparecer em gestantes hipertensas ou com pré-eclâmpsia.

 

“Conforme a barriga cresce, fica muito difícil achar uma posição confortável na cama. Nesse período, qual é a mais indicada?”
“Dormir de bruços, ou de barriga para cima, causa desconforto à gestante. O melhor é deitar-se sobre o lado esquerdo, com um travesseiro entre as pernas”, responde Helena Hachul, ginecologista e pesquisadora do Instituto do Sono, em São Paulo. Essa posição também ajuda a prevenir dores lombares e favorece a circulação sanguínea e a irrigação do cordão umbilical, enviando mais oxigênio e nutrientes para o bebê.

 

“Nunca tive problemas para dormir, mas estou tendo insônia. Isso é normal na gravidez?”
Segundo Fernanda Campos, obstetra e professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), pacientes com relatos de insônia são muito comuns. Geralmente as queixas estão associadas a expectativas da chegada da criança na família, preocupações com a hora do parto e até à sonolência durante o dia no primeiro trimestre, que faz inverter o relógio biológico. Para tentar melhorar esse problema, busque fazer atividades relaxantes e dividir suas angústias com seus familiares, especialmente aqueles que já passaram por essa fase.
“Posso tomar algum tipo de remédio para o sono?”
Fazer uso de qualquer medicamentos durante o período gestacional é sempre visto com ressalvas, sobretudo no primeiro trimestre. Suas substâncias podem interferir no desenvolvimento normal do feto, causando malformações. Tanto para insônia como em qualquer outra condição na gravidez (até como uma simples dor de cabeça), deve-se pesar o risco e o benefício. E nada de tomar aquele remédio que já está acostumada. Somente o seu obstetra pode dizer quais medicamentos estão liberados durante os nove meses. Lembre-se de que alguns chás, além do alto teor de cafeína, também são proibidos nessa época – é o caso do preto, do verde, do branco e do mate. Mas existem outros sabores que estão liberados e podem ser até benéficos para a gestante por ter efeito relaxante, como o chá de erva-cidreira, erva-doce e camomila.

 

 

Fonte/ Revista Crescer

 

 

natural breast enhancement how to get rid of skin tags best weight loss pills healthy man brain enhancing drugs

cialis generic